DSCF2683.jpg
CULTURA
Setembro 2019
Em 1981, Robert Redford reuniu um grupo de amigos e colegas nas montanhas de Utah para criar um ambiente desenhado para gerar independência, descoberta e novas vozes no cinema americano. Naquela primavera, 10 artistas  foram convidados para o primeiro Sundance Institute Filmmakers/Directors Lab onde trabalharam com escritores estabelecidos e diretores para desenvolver seus seus projetos de filmes independentes.

Em um ambiente natural e ecológico, fora de todas as pressões do mercado cinematográfico, cada um desses artistas em ascendência foi encorajado a se arriscar criativamente e realizar um film verdadeiro  e coerente com uma visão original. Esse foi o começo do que hoje o mundo conhece como THE SUNDANCE FESTIVAL.

Esse compromisso com a originalidade e o conteúdo independente de seus filmes permite que mesmo em 2011, o balzaquiano Sundance continue a fazer história. Para essa edição Sundance, escolheu 2 documentários que vão dar o que falar - HOT COFFEE e LIVING FOR 32. O primeiro é um documentário de SUSAN SALADOFF sobre famoso caso de Stella Liebeck, a senhora idosa que processou a rede McDonald's por servir café em temperaturas perigosas a saúde e bem estar dos consumidores, provocando acidentes como o que deixou Stella Liebeck, com queimaduras de terceiro grau pelo corpo e uma dívida hospitalar além de suas possibilidades.

HOT COFFEE explica como, desde os anos 80, que as corporações americanas investiram milhões em marketing para desinformar e convencer a população americana sobre a "frivolidade e desgovernaça" dos juízes, do sistema de justiça civil americano e da necessidade urgente  de reforma.
Usando piadas, meias verdades e mentiras, essa campanha visa limitar o ascesso de pessoas ao sistema judiciário, o único lugar onde um cidadão comum pode enfrentar ricos e poderosos e ainda sim ter uma chance de ver a justiça ser feita.

LIVING FOR 32 é outro documentário que vale a pena assitir. Em Living for 32, Colin Goddard único  sobrevivente dos 32 estudantes assassinados no massacre da Escola Virginia Tech em 2007 e das 32 pessoas assassinadas todos os dias nos Estados Unidos. Hoje Goddard é um ativista do Movimento contra a Prevencão da Violência Armada, e vem expor ao público os "furos" nas leis que regulam os GUN SHOWS (Feiras de Armas) e o quão frágil e inexistentes são os mecanismos de controle e aplicação das leis que regulamentam a compra e venda de armas nos EUA. O filme convida a audiência a pedir mudança.
 
Virginia Tech: Shooting Survivor Calls for Gun Control in New Film

 



©2007-2019 Comunidade Catolica Brasileira em NYC. All rights reserved. Website by Silicon Farm Design & IT Solutions | Credits